Canal Empresarial

A importância da cura do umbigo de bezerros recém-nascidos

Por NOXON | Às 11/11 às 16:48

A IMPORTÂNCIA DA CURA DO UMBIGO DE BEZERROS RECÉM-NASCIDOS

\r\n\r\n

 

\r\n\r\n

O Brasil possui um rebanho de bovinos de 214,69 milhões de cabeças (Abiec, 2019) e a capacidade de crescimento desse setor é indicada pela quantidade de bezerros nascidos, pois esses serão os futuros produtores de carne ou leite. Um dos manejos mais importantes na criação de bovinos é o cuidado com o umbigo dos recém-nascidos. No período neonatal, o bezerro pode ser acometido por onfalopatias, diarreias broncopneumonias, tristeza parasitária bovina e colisepticemia (FEITOSA et al., 2001; SMITH, 2006).

\r\n\r\n

As afecções umbilicais variam de 28,0% até 42,2% nas propriedades de leite e corte, em alguns estados do Brasil (MIESSA et al., 2002; LOPES et al., 2008; REIS et al., 2009). Essas afecções umbilicais causam altas taxas de mortalidade em bezerros, e os animais que não vão a óbito perdem 25%, aproximadamente, no desempenho produtivo. Há relevantes perdas econômicas decorrentes dos custos dos tratamentos, atendimento veterinário, mão-de-obra, menores ganho de peso e produção leiteira.

\r\n\r\n

O umbigo representa a ligação da mãe com o feto durante a gestação, e é pelo umbigo que o feto recebe todos os nutrientes vitais para seu desenvolvimento. O cordão umbilical liga a placenta às estruturas internas do feto por meio de três vasos, sendo duas artérias, uma veia e o úraco. As artérias estão conectadas à circulação sanguínea geral do bezerro, a veia ao fígado, e o úraco à bexiga. No momento do parto, devido à distensão, o cordão umbilical se rompe, os vasos sanguíneos e o úraco se retraem e ficam posicionados próximos da parede abdominal. A pele que envolvia essas estruturas não retrai e forma o coto umbilical. O coto umbilical, dessa forma, representa a porta de entrada mais importante de microrganismos causadores das doenças no recém-nascido.

\r\n\r\n

As onfalopatias abrangem processos infecciosos (onfalites simples, onfaloartrites, onfaloflebites, entre outros) e não infecciosos (hérnias, persistência do úraco). Os problemas umbilicais infecciosos ocorrem pois o cordão umbilical apresenta grande exposição e permite a entrada de microrganismos, principalmente quando há falta higiene e negligência nos primeiros cuidados de cura como a antissepsia, que podem acarretar na morte dos animais.

\r\n\r\n

Os locais do nascimento e de criação dos bezerros nos primeiros dias de vida são importantes para o controle das infecções. Os locais devem ser limpos e secos para que o umbigo não esteja exposto às contaminações do ambiente. Além disso, a presença de matéria orgânica no umbigo diminui a ação do iodo, ou produto específico, reduzindo a eficiência da cura de umbigo, aumentando o risco de infecções.

\r\n\r\n

A “queima” de umbigo é importante para proteger contra a entrada dos microrganismos e por desidratar o coto umbilical, fechando gradualmente essa porta de entrada. Esse procedimento deve ser realizado nas primeiras horas após o nascimento com a associação: DDVP, Ácido Pícrico Trinitrofenol, Iodofórmio, Alcatrão Vegetal e Citronelal*. Este procedimento pode ser repetido uma vez por dia, durante três a cinco dias consecutivos, até que o cordão umbilical caia, ou de acordo com a orientação do Médico Veterinário. Esta formulação* tem ação cicatrizante e repelente; seca o umbigo e previne instalação de moscas, possui alto poder mumificante, repele as moscas e evita novas infestações; possui um fixador especial que “gruda” na pele do animal e protege por mais tempo. A forte coloração marca bem o animal tratado, com isso facilita a identificação do bezerro no manejo.

\r\n\r\n

Também é necessário incluir na rotina da propriedade o monitoramento da ocorrência das infecções no umbigo, o que pode ser feito por meio da palpação. Quando há infecção, o umbigo pode estar com volume aumentado e firme, podendo manifestar dor ao exame, secreção no umbigo e febre. Para o tratamento da infecção, procure o médico veterinário.

\r\n\r\n

O correto manejo do bezerro recém-nascido reduz a ocorrência das infecções umbilicais, assim como a ocorrência de outras doenças e sequelas que possam comprometer a vida produtiva do animal. Bezerros bem-criados e com desenvolvimento saudável têm maiores chances de se tornarem adultos mais produtivos e eficientes.

\r\n\r\n

Dra. Daniela Miyasaka S. Cassol, M.V.

\r\n\r\n

Gerente Técnica, PDI - Noxon Saúde Animal

\r\n\r\n

______________

\r\n\r\n

*UmbiTrat - Noxon Saude Animal.

\r\n\r\n

Importante: siga as orientações de bula e consulte sempre o Médico Veterinário.

\r\n
Mais Vistas
Tristeza Parasitária Bovina (TPB) “Tristezinha”, “Pindura”, “Piroplasmose” ou “Mal da ponta”Novos desafios na mastite bovinaConheça o Lactus Pour-On, alternativa para controle de parasitas externos e vermes com descarte zero de leite.Leite com qualidade ao alcance de todosAPLICAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO VETERINÁRIOFazenda Agrindus, uma das maiores produtoras de leite no Brasil, utiliza o suplemento injetável An@bolic, para melhorar a produtividade e a reprodução do seu rebanho. Confira o vídeo falando sobre esse assunto Como ganhar a luta contra parasitos externos em bovinosPraticidade das fitas plásticas no manejo das vacas de leite. Dica minuto Ruralleite, confira.Pneumonia bovina. Noxon Saúde Animal explica como tratarVerminoses em bovinos: Como controlarNutrientes e a melhoria da produtividade do rebanhoDiagnóstico e tratamento da mastite clínicaRuralleite testou o Milk Bar, um bico inovador para o aleitamento de bezerras leiteiras.Diagnóstico e tratamento da mastite subclínicaColostragem: Ponto chave na criação de bezerras. Nathália Rocha, Dra. Sprayfo Nordeste, explica!Tristeza Parasitária BovinaComo controlar a mastite.Médico veterinário fala sobre combate e controle estratégico de carrapatos em bovinos de leite.Rinotraqueíte Infecciosa Bovina ( IBR )Hipocalcemia nas vacas leiteirasMastite Ambiental. O umbigo e a saúde das bezerras.Importância e forma de aplicação do pós-dipping. Ruralleite explica!Qual o melhor equipamento de ordenha? Ruralleite fornece dicas.Vantagens do Sombreamento para vacas leiteiras
Ver Mais